segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Google e Intel anunciam parceria em futuros tablets. O que devemos esperar e por quê?

Google e Intel anunciam parceria em futuros tablets. O que devemos esperar e por quê?


Esta semana, Google e Intel Corp. anunciaram uma parceria no desenvolvimento de futuros tablets e smartphones, com o sistema Android sendo otimizado para o uso conjunto com os processadores da linha Atom da Intel. Eu consigo imaginar duas circunstâncias para essa decisão, e elas são interligadas.
A primeira seria a seguinte: mês passado, o Google comprou a Motorola Mobile, que é a empresa responsável por uma grande parte dos dispositivos rodando Android atualmente, e com essa aquisição o Google pode começar a projetar seus próprios dispositivos, dedicados exclusivamente ao sistema Android. Ter uma parceira como a Intel, com uma linha de microchips disposta a dedicar hardware a seu sistema operacional, inclusive uma parceira que promete que a nova geração de chips vai exigir da bateria a metade da energia anteriormente requisitada, é  um enorme passo no sentido de resolver uma das grandes frustrações da maioria dos compradores de tablets e smartphones – a duração da carga da bateria. Tais fatores  fazem o Google ter cartas na manga para melhorar o quesito “desempenho” dos gadgets Android.
E por que motivo o Google estaria tão  preocupado com o quesito “desempenho” dos aparelhos Android? Chegamos à segunda circunstância: Apple.
Apesar de o sistema Android se sair muito bem no mercado de smartphones, quando o assunto é tablet o sucesso não é o mesmo. Dia após dia, como vemos aqui mesmo no MDT, saem dispositivos com as configurações mais diversas rodando o sistema Android. Mesmo com toda essa diversidade, todos os dispositivos de todas as marcas, com as mais variadas especificações de hardware, não chegam perto de ameaçar a liderança da Apple e do Ipad no segmento. Por que?
A pergunta já tem um bocado da resposta. Inúmeros tablets com as mais variadas especificações de hardware são lançados periodicamente rodando o sistema operacional do Google, mas nenhum deles é desenhado desde a prancheta com dedicação total ao Android, o que faz com que o tablet rodando Android entregue ao usuário uma experiência um tanto quanto “genérica”, já que a interação entre software e hardware é, ela mesma, “genérica”. Como todos nós sabemos, o mesmo não acontece com o Ipad (aliás, com nenhum produto da Apple), justamente porque desde o esboço, hardware e software são pensados para trabalharem de maneira unificada, o que garante maior fluidez nas operações, gráficos, etc. Nesse ponto, a Apple é imbatível. E talvez seja justamente nesse ponto forte que o Google, adquirindo a Motorola Mobile e firmando parceria com a Intel, queira atacar a Apple. Quero dizer, produzir dispositivos mobile que tenham hardware e software entrelaçados desde o início para criar uma linha de tablets que entregue a experiência mais avassaladoramente agradável para o usuário, e assim fazer o robozinho verde abrir mais um flanco de competição com a maçã.
Claro, são minhas suposições. Quais são as suas? Comente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário